Sábado, 31 de Março de 2007

Desculpem lá !

Eu bem avisei! Poderia pedir desculpas : e alguns talvez, mais tolerantes quiçá ingénuos, me dessem o benefício da dúvida e me abençoassem quais almas imaculadas mas, mais vale prevenire-los já, de que não servirá de nada. Encontrarão demasiado bolor para limpar, entre o que aqui hoje conseguir deixar e... o futuro a Deus pertence!... De qualquer das  maneiras peço desculpas pelo presente, pelo passado e já agora, pelo futuro. Fica a vosso critério! Mas, uma coisa eu prometo; sempre que a ausência da preguiça me invadir, sentar-me-ei nesta cadeira beje, lacada, dura e, sem a presunção de querer competir com a  sapiência que me chega em vertiginiosa  velocidade pela A7, que depois de ter ladeado a famosa casa de Ceide, da janela do meu quarto a posso ver entrecortada pelas ainda recentes alvas e débeis flores que, se agarram à imponente cerejeira, cuja história um dia aqui há-de figurar; para homenagear a quem a plantou. Nas minhas costas, a A7, quase que se precipita no atlântico mui perto das Caxinas e, se apontar o meu olhar em direção ao nascer do sol,lá está o magestoso Monte da Assunção encobrindo outros horizontes. Nunca a minha vista correrá o risco de se esvaír; pelo menos pelas mesmas razões  «CAMILO», embora para escrita e leitura, os óculos dispensar já não possa.

 Há uma revelação a fazer ! A 18 de janeiro de 2003 nasceu a minha maior teimosia, a que chamei diário, e com fraquejos ou não, certo é que , um ano depois escrevi: «foi pena não se ter deitado o chão no terraço; pois esta manhã de domingo, embora fresca , brindou-nos com um magnífico sol.

O Mao apareceu às 10h em ponto e iníciamos o desentorpecimento do cabedal seboso!...Um pouco mais o dele que o meu !...

A minha mãe está bem ,dentro do seu estado de dependência.

Pela tarde senti o frio agreste aquando da visita à sepultura de meu pai...

Às 17h e qualquer coisa, era a hora marcada para festejar o primeiro aniversário da Bea .

Em silêncio comemorei também o aniversário do meu diário, dedicando-lhe uma taça (copo) de champagne (moscato).

 

No ambiente amplo e quente da «cave» a famelga esteve reunida até para muito além das primeiras horas da noite. Como o tempo passa apressado nestes serões; pelo menos para aquele grupinho que se aninha ao redor da incalável Fátima , de certeza nem querem saber de relógios- e para quê ? Se aquelas são as melhores horas ! Onde vai aquela cachopa lambosar-se de tanta inspiração, de tanta mimíca , de tanta natural insolência que, a graça de tanta,  sai aos tropeções por aquela boca , horas  a fio- haja tempo e plateia- e ela disso, hoje queixar não se pode».

 E assim ; sem preocupações cronológicas - não interessa se «ac ou dc» surgirão aqui mescladas, quais incrustrações, coisas por mim escritas!...

Acabei de me levantar, para pegar em duas «barbies» a fim de calar a Juanita, que veio cá passar a tarde.

 

d`amora azeitona

publicado por kumyxao às 18:41
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Bodas de prata

. ...

. 10 de Julho de 1956

. ...

. Sozinho em Casa

. sonhos

. Era

. ...

. O dia daquela noite

. Public...

.arquivos

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds