Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Ser POETA

Angustia e entristece

Ao ouvir alguém dizer

Que queria ser poeta

Poeta não se quer ser!

POETA! É-SE!

 

E para que se veja!

Farei o meu livro de poesia

Nem que seja!

A um poema por dia

E nele estará a minha obra-prima

Isenta de rédeas e de rima

A diluir-se na alva crista das marés

E a ascender no branco dorso das gaivotas

Para depois de mais de mil voltas

Descer no voo delas uma e uma e outra vez

E no frenesim do mais animalesco dos cios 

Subirá comigo todos os rios

Que melodiosos descem o Gerês

 Içar-me-á ao verde descanso das aves

Que oscilando à passagem da brisa

Soltará num improvisado verso

Tudo o que de mim não sabes

Pergaminho que se estende e alisa...

Com tantas, tantas coisas a dizer

Que partir para o mesmo regresso

Irá a minha vontade de não mais querer!

Ah! Esta poesia que me sacode

Anunciando abertura do festim

Antídoto para os meus fraquejos

Fazendo agigantar em mim

Um Kamikaze que se explode

Numa intifada de beijos! 

 

Post Scriptun: Não sei se sou poeta...

                         Mas, sei que não sou mais nada!

 

                   

 

D’amora azeitona

publicado por kumyxao às 14:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Bodas de prata

. ...

. 10 de Julho de 1956

. ...

. Sozinho em Casa

. sonhos

. Era

. ...

. O dia daquela noite

. Public...

.arquivos

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds