Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

Bodas de prata

À 24 anos atrás, a gravata serviu-me de pretexto para todo o sufoco que, para mim,  foi a cerimónia do casamento na pequena capelita de S. Miguel. Assim ao desapertar o raio da gravata acho que jurei nunca mais usar a dita ou outra similar, ao mesmo tempo que sabia não ser necessário aquele juramento de guião « Sim! Vou amar a minha mulher na tristeza e na alegria! Na doença e na cama para todo o meu sempre!». Assim perante toda aquela gente. «Que arrasto! Meu Deus! Não era preciso tanto! Eu só amava aquela mulher, que acabava de ser minha  e não era preciso mais nada ».

Agora passados todos estes anos não tenho que pedir desculpa porque nunca prometi nada... «bem! prometi que a iria sempre amar na... essa lenga- lenga toda a que não foge quem como eu se submete às vontades ou tradições. Mas, é uma promessa fácil de cumprir. Ela continua LINDA , e eu, ainda hoje, não consigo achar-me merecedor desta mulher que ainda por cima diz « Se eu voltasse atrás tu eras uma das coisas que eu não poderia deixar de querer».

publicado por kumyxao às 21:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Bodas de prata

. ...

. 10 de Julho de 1956

. ...

. Sozinho em Casa

. sonhos

. Era

. ...

. O dia daquela noite

. Public...

.arquivos

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds